Por Alice Schmitt em 14 de junho de 2017

Por quanto tempo preciso guardar os exames de pacientes?

Segundo o Conselho Federal de Medicina, exames que incluem imagens e laudos devem ser mantidos na instituição por, no mínimo, 20 anos. Veja outras opções.

Por Alice Schmitt e Jéssica Spada em 20 de abril de 2017

Por que um RIS em cloud traz mais eficiência para gestão de centros de diagnóstico por imagem?

Centros de diagnóstico por imagem e setores de radiologia digitalizados já não são novidade há muito tempo. Garantir máxima eficiência é uma tarefa desafiadora. A área de radiologia já lida naturalmente com uma grande quantidade de informações. Conciliar diferentes tipos de exame, informações do paciente e cobrança de planos de saúde são só alguns dos processos pelos quais essas instituições passam.

Por Dra. Mayana Lopes, Oncologista da Clínica AMO em 3 de fevereiro de 2017

A realidade do câncer no Brasil

O câncer é um problema de saúde pública mundial. De acordo com a OMS, os óbitos pela doença já atingem 8 milhões de pessoas por ano, um aumento de 40% nas últimas duas décadas. É a doença que mais cresce e pode chegar a 22 milhões de diagnósticos em 2030. Mesmo assim, a população ainda não tem hábitos considerados saudáveis para a redução dos riscos de ter a doença.

Por Alice Schmitt e Paulo Roberto Pontes em 9 de janeiro de 2017

14 dicas de gestão de call center para medicina diagnóstica

O agendamento de exames é o processo que pode garantir a rentabilidade satisfatória para um faturamento saudável da instituição. Quando o overbooking é bem dimensionado, alinhado com a taxa de no-show, garante a instituição o movimento desejado. A tecnologia se torna indispensável neste processo.

gestão de call center para medicina diagnóstica, gestão de medicina diagnóstica, RIS

Por Julie Almeida, Grace Leite e Marília Paraíso em 30 de novembro de 2016

Padrão TISS e suas vantagens

A TISS – Troca de Informações na Saúde Suplementar foi estabelecida como um padrão eletrônico nacional e obrigatório para a troca de dados entre operadoras de planos de saúde e prestadores de serviços médico-hospitalares da ANS – Agência Nacional de Saúde Suplementar, tendo como principais objetivos: unificar as ações administrativas, subsidiar as ações de avaliação e acompanhamento econômico, financeiro e assistencial das operadoras de planos privados de assistência à saúde e compor o Registro Eletrônico de Saúde.

TISS

Leia no seu e-mail

Acompanhe as novidades sobre nossos produtos e novas parcerias

Acompanhe também

Acompanhe as novidades sobre nossos produtos e novas parcerias