COMPARTILHE

Estratégias criativas e parcerias entre clínicas e laboratórios: uma tendência de mercado

Por Roberto Ribeiro da Cruz - CEO da Pixeon em 31 de agosto de 2016

Sistema para laboratoriosO grupo de países conhecido como BRIC (Brasil, Rússia, Índia e China) tem a previsão de aumentar os gastos com saúde nos próximos 10 anos em 117%. Segundo a Câmara Brasileira de Diagnóstico Laboratorial (CBDL), a área de laboratorial cresceu 7% em serviços de complementação diagnóstica no País. Apesar destes números positivos, em 2016, houve um corte de mais de R$ 2,5 bilhões no orçamento para a saúde pública do Brasil.

 

Com um cenário de cortes orçamentários na verba pública, as instituições privadas acabam tentando se sobressair com serviços completos como estratégia de negócio para expansão e crescimento.

 

O paciente tem a demanda de ser atendido com eficiência e prefere instituições que ofereçam diversos exames que ele precisa de uma única vez. A instituição também precisa estar atenta à qualidade que oferece ao médico solicitante, que é quem geralmente recomenda ao paciente uma determinada instituição para a execução de um procedimento.

 

Sabendo disso, muitas instituições criam formas de fidelizar seu público, seja ao aumentar o portfólio de serviços, mantendo-se restrita a uma região, seja com um leque menor e expandindo para várias localidades. Aumentar a amplitude regional é uma estratégia de negócios mais custosa, mas que pode ser uma alternativa, caso a instituição tenha expertise para gestão logística da coleta e transporte de exames e esteja ciente das dificuldades de credenciar convênios em cada região.

 

Muitas vezes, a maneira mais fácil de manter-se competitivo é com parcerias com outras instituições, para aumentar as possibilidades de oferecimento de exames.

 

Cases bem sucedidos entre clínicas podem inspirar o mercado a crescer de forma orgânica e sustentável. Recentemente, um cliente Pixeon, especializado em exames laboratoriais, para focar em sua área de atuação e ainda assim incentivar o crescimento sem grandes investimentos, firmou uma parceria com uma clínica vizinha, especializada em diagnóstico por imagem, que se manteriam em seus respectivos nichos e repassariam ao outro demandas de exames da área que não abarcam. Esse tipo de negócio fortalece a presença de mercado.

 

Outro modelo de negócios bem importante é o de laboratórios que expandem seus serviços para diagnóstico por imagem. Com a entrada de grandes redes na região nordeste, por exemplo, um cliente da área de laboratórios seguiu esta estratégia e adquiriu equipamentos de diagnóstico para se tornar mais competitivo.

 

Há ainda as instituições que fazem questão de trabalhar com nichos específicos. Como um laboratório que trabalha com classes D e E do Rio de Janeiro, que optou por oferecer exames completos de pré-natal e de cuidados com a saúde da mulher para fidelizar este público, com isso, e vem ganhando força no mercado local.

 

Estes modelos de parceria são tendências da área para sobreviver em meio ao mercado competitivo de laboratórios privados, que movimenta, segundo a PwC, receitas globais estimadas de US$20,2 bilhões ao ano.

 

Saiba mais:

Sistema de gestão laboratorial

COMPARTILHE

Veja também

Acompanhe as novidades sobre nossos produtos e novas parcerias

Por que apostar em tecnologia para saúde no mercado hospitalar?

Na última década, o mercado nacional de healthcare obteve avanços significativos utilizando a tecnologia para saúde para promover crescimento sustentável.

Os desafios da gestão laboratorial na rotina estratégica e operacional de um laboratório moderno e dinâmico.

Gerenciar um laboratório não é uma tarefa fácil. Além de ficar atento a diversas áreas diferentes dentro da instituição, um gestor precisa estar preparado para os mais diversos tipos de problemas que podem aparecer no dia a dia – provocados tanto por um paciente quanto por algum erro de um funcionário. Afinal, caberá a ele decidir como agir e resolver uma eventual emergência operacional no local.

A realidade do câncer no Brasil

O câncer é um problema de saúde pública mundial. De acordo com a OMS, os óbitos pela doença já atingem 8 milhões de pessoas por ano, um aumento de 40% nas últimas duas décadas. É a doença que mais cresce e pode chegar a 22 milhões de diagnósticos em 2030. Mesmo assim, a população ainda não tem hábitos considerados saudáveis para a redução dos riscos de ter a doença.

Acompanhe a Pixeon. Leia mais artigos ›