COMPARTILHE

Os desafios da gestão laboratorial na rotina estratégica e operacional de um laboratório moderno e dinâmico.

Por Mario Santos e Julie Almeida em 13 de fevereiro de 2017

gestão laboratorialGerenciar a rotina de um laboratório não é uma tarefa fácil. Todas as etapas na gestão laboratorial precisam ser tratadas com total eficiência e segurança, desde a chegada do paciente na recepção. Com a rotina laboratorial bem estabelecida, apoiada num bom sistema de gestão, é possível garantir o gerenciamento e o acompanhamento de todo o fluxo laboratorial com amplo controle das diversas áreas.

 

Com o LIS, é possível ter um maior controle na organização do fluxo de atendimento.  Assim como, o LIS auxilia na coleta do material e identificação das amostras, com total rastreabilidade, passando pelo interfaceamento com aparelhos, análise, crítica, liberação de resultados.  Esse processo finaliza na emissão e entrega dos laudos, seja na própria unidade ou via web para acesso dos médicos solicitantes e pacientes. Dessa forma, garante-se uma gestão laboratorial eficiente.

 

Do mesmo modo, toda a gestão laboratorial de faturamento é amplamente controlada por recursos eficazes. Eles contribuem ainda mais para a excelência do seu laboratório, gerando alto índice de lucratividade e otimização dos processos.

 

Além disso, o LIS possui total integração com os principais laboratórios de apoio ao diagnóstico existentes no país. Isso proporciona muito mais vantagens competitivas principalmente para laboratórios de análises clínicas de pequeno porte.

 

É possível perceber que o volume de trabalho dentro de um laboratório é gigantesco. Portanto, é um ambiente mais propício a falhas, o que exige máxima atenção do gestor. Mas com o LIS, algumas soluções automatizadas contribuem para redução de falhas e gastos no setor laboratorial:

 

Controle de qualidade na gestão laboratorial

 

Na gestão laboratorial, o processo chamado de controle de qualidade garante que os resultados de exames feitos pela clínica sejam fidedignos, ou seja, sem erros que possam comprometer a instituição e a saúde do paciente. O teste é feito com um kit reagente que simula um procedimento real. No entanto, o kit deve sempre render um resultado padrão, já esperado pelo profissional que o executa. Portanto, se algo der errado aqui, é sinal de que o equipamento precisa ser recalibrado e acionado mais uma vez.

 

Esse procedimento ainda pode ser realizado de forma automática. E essa mudança que traz diversos benefícios. Um sistema automatizado torna possível, por exemplo, a realização de testes simultâneos e o bloqueio via software de equipamentos que ficarem foram do padrão. Isso otimiza todo o processo de entrega de exames. Além disso, o processo colabora para aumentar a fidelidade dos pacientes. De forma automatizada ainda reduz o risco de erro nessa primeira etapa e até nas seguintes.

 

A automatização, por fim, ainda pode ajudar a unificar os sistemas utilizados em laboratório por meio do interfaceamento de todos os procedimentos oferecidos no local, a fim de melhor gerenciar tudo o que for automatizado.

 

Soroteca

No passado, o controle da soroteca era feito manualmente e não havia uma categorização das amostras. Isso, além de dificultar o trabalho dos bioquímicos, podia causar perda ou mistura de algumas amostras com outras, podendo gerar uma série de complicações em relação ao diagnóstico.

 

A adoção de um software para gestão da soroteca traz inúmeras vantagens. A primeira e mais notável delas é a melhoria na organização: todas as amostras são dispostas em racks e devidamente etiquetadas com código de barra. Isso ainda facilita na hora de pesquisar, já que basta informar os dados referentes ao paciente para encontrar a respectiva amostra.

 

Além dos ganhos em tempo e agilidade, a clínica que automatiza o sistema de soroteca pode ter um retorno na parte financeira. Com uma gestão mais eficiente do acervo, evita-se repetições desnecessárias de exames, que podem acabar ocorrendo porque a amostra fornecida da última vez venceu ou foi perdida, por exemplo.

 

4 dicas para o gestor laboratorial

 

Gerenciar um laboratório não é uma tarefa fácil. Além de ficar atento a diversas áreas diferentes dentro da instituição, um gestor precisa estar preparado para os mais diversos tipos de problemas que podem aparecer no dia a dia – provocados tanto por um paciente quanto por algum erro de um funcionário. Afinal, caberá a ele decidir como agir e resolver uma eventual emergência operacional no local.

 

Mas com algumas medidas, um gestor laboratorial consegue tornar seu trabalho menos complicado e até livre de problemas mais graves. Separamos cinco dicas para ajudá-lo nessa tarefa. Confira!

 

1. Unifique processos para torná-los mais eficientes

 

Quando feitos de forma organizada e conjunta, os processos realizados em um laboratório ganham em agilidade e, principalmente, eficiência. Unificar tarefas colabora para minimizar eventuais erros, como um exame feito por engano – e isso poupa tempo tanto dos responsáveis pelas áreas quanto dos pacientes.

 


2. Foque em aumentar a capacidade de atendimento do laboratório

 

A ideia é melhorar a recepção aos pacientes com um atendimento humanizado e, assim, garantir maior taxa de fidelização. Coleta domiciliar, com atendimento dedicado a pacientes que têm dificuldades de locomoção, e uma área de vacinação própria são dois diferenciais importantes, por exemplo. Esse investimento gera retorno não só nesse aspecto – um laboratório maior também tem melhor capacidade de negociação com parceiros.

 

3. Fique atento ao controle de qualidade

 

Não adianta oferecer um serviço completo se a qualidade ficar aquém do esperado. Um bom gestor também deve ficar atento a esse ponto e definir regras e processos – de preferência unificados, como destacado no ponto 1 – para evitar que um exame delicado seja feito errado ou precise ser refeito. Além disso, é interessante focar nas acreditações, que garantem maior credibilidade ao laboratório.

 

4. Invista no treinamento das equipes

 

Todos os membros de equipes que atuam em laboratórios estão suscetíveis a um desgaste no conhecimento quando seguem uma rotina – por mais intensa que ela seja. Por isso, é importante investir em diferentes treinamentos para os funcionários. Fazê-los participar de diferentes atividades e aprendizados ajuda a manter a curva de conhecimento de todos eles sempre em alto nível.

 

Tem outras dicas que podem ajudar na gestão de um laboratório? Conte para a gente nos comentários abaixo

 

Leia também:

gestão laboratorial

COMPARTILHE

Veja também

Acompanhe as novidades sobre nossos produtos e novas parcerias

Radiologia: os benefícios do armazenamento na nuvem

O cloud computing, conhecido também como armazenamento de dados em nuvem, está presente em muitos setores da economia. Confira o infográfico e saiba mais sobre o assunto.

A importância da Internet das Coisas para impulsionar os negócios

Definir exatamente o termo Internet das Coisas (IoT – do inglês “Internet of Things”) é um tanto quanto pretensioso, devido a diversidade de cenários que possibilitam o uso dessa tecnologia.

Por que um RIS em cloud traz mais eficiência para gestão de centros de diagnóstico por imagem?

Centros de diagnóstico por imagem e setores de radiologia digitalizados já não são novidade há muito tempo. Garantir máxima eficiência é uma tarefa desafiadora. A área de radiologia já lida naturalmente com uma grande quantidade de informações. Conciliar diferentes tipos de exame, informações do paciente e cobrança de planos de saúde são só alguns dos processos pelos quais essas instituições passam.

Acompanhe a Pixeon. Leia mais artigos ›