COMPARTILHE

Gestão de empresas: visão, foco e especialização

Por Iomani Engelmann - Diretor de Novos Negócios e sócio-fundador da Pixeon em 26 de abril de 2016

gestão empresarialProfissionais das mais diversas áreas sonham em abrir seus próprios negócios, e esses desejos vem carregados de boas intenções e vontade de mudar o mercado em que atuam. Porém, o que muitos não provisionam, é que uma empresa não sobrevive apenas de conhecimento técnico na área de atuação e a intensa ambição que o negócio prospere. É preciso visão, foco e especialização. 

 

Hoje, como sócio fundador e diretor de novos negócios de uma das maiores empresas de tecnologia para saúde do Brasil, tenho visto muitos negócios prosperarem e afundarem, e grande parte deles na área da saúde. Um caminho pouco utilizado pelas clínicas e hospitais é implantar um processo de governança corporativa, recurso no qual a empresa passa ter opiniões de conselheiros. Estes executivos carregam,muitas vezes, uma bagagem profissional de áreas diferentes de atuação da sua empresa, e passam a orientar e criticar de forma construtiva a execução mensal das ações assim como os números gerados por elas. Outro ponto está em saber que além de conhecimento do mercado, é necessário reconhecer quais suas habilidades e limitações, e trazer líderes altamente capacitados para gerir departamentos fundamentais como administrativo, financeiro, marketing e de recursos humanos.

 

É bastante comum ver médicos entrando no mundo dos negócios. Cheios de ideais e vontade de mudar o setor em que atuam, abrem clínicas maravilhosas, com equipamentos modernos e com grandes possibilidades de se tornarem bem sucedidos. Falam de expansão, filiais, aumento de desempenho e todos os outros adjetivos que acercam a progressão. E então, o que difere o sucesso do fracasso?

 

Tivemos este mesmo cenário anos atrás na nossa empresa. E posso dizer que duas palavras respondem muito dessa pergunta: foco e humildade. Sendo a segunda característica, no cerne de seu significado – virtude caracterizada pela consciência das próprias limitações, um grande pilar e chave do êxito. Sabemos que é impossível focar em várias especialidades ao mesmo tempo e este é um dos grandes equívocos de muitos administradores de clínicas, que desejam continuar atuando na medicina e dividem seu tempo entre atender pacientes e gerir uma empresa.

 

Como o dia tem apenas 24 horas, o médico que atua clinicamente e também é gestor, não tem o tempo suficiente para gerir, atender e ainda se especializar em duas áreas completamente distintas. E a falta de expertise é justamente o que torna uma parcela das clínicas mal geridas, trazendo uma perda de eficiência muito grande. Carreira exige especialização, estudo e foco. Escolher, portanto, a área na qual quer focar, ter isso em mente e estudar para alcançar seus objetivos é essencial para se tornar um caso de sucesso.

 

Sou um dos fundadores da empresa que hoje atuo como Diretor de Novos Negócios. Sou formado em Ciências da Computação e fazia parte do time de programadores. Sempre amei programar, mas quando começamos a crescer percebi que não podia mais ser responsável por essa função, teria que assumir outros desafios. Fui estudar para cuidar da área comercial e a assumi plenamente depois de muito me especializar. Com o tempo, precisamos de um know how em finanças que nem eu ou meu sócio tínhamos, e trouxemos uma pessoa do mercado com uma visão de onde poderíamos chegar e uma experiência diferenciada.

 

Em minha relação direta com clientes, trocando experiências e dividindo conhecimento, carrego diversos outros exemplos. Já tive clientes pequenos que tinham um grande potencial e quando implantaram uma gestão departamental profissionalizada tiveram muito êxito no seu plano de crescimento, se tornaram uma marca grande e respeitada, com uma estrutura operacional boa e uma visão clara e estratégica dos negócios, o que impactou o mercado na cidade que estavam presentes e os arredores. Enquanto outros, que eram grandes, se perderam em uma gestão familiar e informal e não prosperaram.

 

A área financeira, por exemplo, deve ter alguém especializado em finanças para gerir, enquanto que Recursos Humanos é essencialmente bem administrado por alguém com formação nesta área, e assim por diante. Parece uma informação óbvia, mas muitos empreendedores não compreendem a necessidade de valorizar os profissionais de diversas outras áreas que não a dele.

É necessário ter especialistas das alçadas tática e estratégica focados em cada um dos setores da sua empresa, o que traz como consequência o aumento da produtividade e da qualidade de atendimento a parceiros e clientes. Um ponto de destaque  nessa lógica é o conceito de autonomia. Não é produtivo e se torna frustante também para um gestor contratado não ter autonomia em suas atividades. Muitos médicos tem dificuldade em delegar funções táticas e estratégicas, conseguindo se desprender apenas das operacionais, com isto a empresa acaba criando uma gestão centralizada, com pouca agilidade de realizar mudanças para o sucesso do negócio. O termômetro para validar o trabalho desenvolvido está na análise de um conjunto de indicadores operacionais, táticos e estratégicos que cada gestor deve ser responsável.

 

Portanto, perceber que são necessários bons profissionais, com conhecimentos específicos e papéis bem definidos e com autonomia clara, é essencial não somente para saber claramente quem dentro da empresa responde por qual resultado, como também para tornar a definição de metas, execução de tarefas e mensuração de indicadores mais simples. Excelência operacional traz melhor resultado para o negócio. Assim, torna-se mais simples compreender como está a saúde da sua empresa. E falo isso por experiência própria.

 

COMPARTILHE

Veja também

Acompanhe as novidades sobre nossos produtos e novas parcerias

8 dicas para evitar glosas

Mostramos 8 maneiras eficientes de evitar ou corrigir um dos problemas mais difíceis de lidar nas instituições de saúde: as glosas.

Como o RIS na Radiologia traz vantagens para as instituições?

Como o RIS na Radiologia traz vantagens para instituições de saúde? Como era antes e como deve ser agora com adoção de RIS pelas instituições de saúde.

Não deixe dinheiro na mesa: controle efetivo do faturamento hospitalar

Saiba quais são os segredos para garantir uma gestão eficiente e um faturamento hospitalar saudável

Acompanhe a Pixeon. Leia mais artigos ›