COMPARTILHE

Como controlar gastos e evitar erros utilizando identificação por smartcards

Por Pixeon em 12 de maio de 2015

shutterstock_155087405Nos últimos tempos, é difícil encontrar uma pessoa que nunca tenha utilizado um smartcard, ou mesmo alguém que não utilize a tecnologia no seu dia a dia. Os smartcards estão por toda a parte. Podem substituir dinheiro em formato de passes para o transporte público, identificar quem entra em prédios comerciais e conter informações importantes sobre funcionários e serviços. Com identificadores embutidos, esses objetos são simples, portáteis e permitem acesso a dados complexos, reunindo uma série de informações fundamentais para  o bom funcionamento de vários tipos de serviço.

 

Essa praticidade também é uma realidade nas instituições de saúde, que podem utilizá-la, tanto para a idetificação de visitantes, como para a organização interna da unidade. O estoque de medicamentos e materiais, por exemplo, é uma área que precisa ser constantemente utilizada por diversos profissionais e demanda do setor de administração hospitalar um processo logístico preciso. A entrada e saída de produtos e medicamentos, que anteriormente era registrada no boca a boca ou com a utilização de planilhas simples, hoje pode ser sistematizada e integrada junto a uma plataforma digital, capaz de identificar o usuário que realizou a retirada de cada item e fez a utilização junto a cada paciente, e realizar uma série de registros quantitativos, auxiliando também os setores administrativos.

 

Por meio de um link no sistema Smart, o funcionário utiliza a identificação por smartcards para dar baixa automática no sistema, afim de controlar quantidades, fluxos e usos urgentes de medicamentos em tempo real, evitando erros e aprimorando processsos. Os cartões possuem um registro único e intransferível, o que pode auxiliar planejamentos futuros. Esse tipo de controle evita gastos e erros de administração de medicamento, por exemplo, além de identificar todos os responsáveis pelo manuseio de cada material e medicamento, desde o momento de sua retirada na farmácia ou almoxarifado, até a administração ao paciente.

 

Por meio do cartão é possível compreender também como funciona o uso da farmácia hospitalar e evitar intercorrências. Em tempo real, são feitos diversos registros, como o setor para qual o medicamento está sendo destinado, a hora exata em que foi solicitado e quando, de fato, esse material foi retirado do estoque, mapeando o caminho realizado pelo medicamento e responsabilizando cada funcionário pelo seu uso – o que minimiza baixas realizadas erroneamente e uso indevido de recursos.

 

O uso do crachá otimiza e integra todos os setores da unidade de saúde, além de ser uma ferramenta importante para o controle de estoque, a atribuição de responsabilidades e a segurança do paciente. De maneira prática, realiza o controle, otimiza o consumo e faz com que sejam ajustadas de forma mais precisa as quantidades de cada item, evitando desperdídicios.

 

Gostaria de saber mais sobre a identificação por smartcards utilizando  sistema Smart? Deixe seu comentário abaixo e fale com a nossa equipe.

 

Conheça também:

call-to-action-13

 

COMPARTILHE

Veja também

Acompanhe as novidades sobre nossos produtos e novas parcerias

Pré-requisitos para escolher um bom parceiro de TI na saúde

Quais os pré-requisitos para escolher um parceiro de TI na saúde? Elencamos pontos importantes para a relação fornecedor-instituição.

8 principais acertos do CIO Hospitalar

David Oliveira – consultor e fundador da DECIDA e sócio-diretor da ItechMed – listou os principais acertos do CIO Hospitalar. Confira o infográfico.

Tecnologias de gestão em saúde eficazes para hospitais

As tecnologias de gestão em saúde são fundamentais para garantir a eficácia do hospital. Saiba quais os principais equipamentos e como utilizá-los.

Acompanhe a Pixeon. Leia mais artigos ›